Conselhos de CCP e Otorrino se unem para revisão de normas do CFM

Câmaras Técnicas focam em pautas específicas das especialidades.

por Dr. Luís Eduardo Barbalho de Mello

 

No dia 21/01 aconteceu a reunião conjunta das Câmaras Técnicas de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e de Otorrinolaringologia do Conselho Federal de Medicina (CFM). O encontro nasceu da proposta da nova diretoria do CFM, inaugurando a união das duas Câmaras, para constituição de pautas específicas para tratar dos assuntos de interesse das especialidades e que necessitam de normatização de competências.

É o marco de uma nova era no disciplinamento e defesa da Medicina, baseados em preceitos éticos e fortalecimento das diretrizes que nortearão o exercício profissional. Fazem parte da Câmara Técnica de Cirurgia de Cabeça e Pescoço os associados Alfio Jose Tincani, Antonio Jose Gonçalves, Daniel Knabben Ortellado, Evandro de Almeida Gouveia Sobrinho, Fábio Luiz de Menezes Montenegro, Fátima Cristina Mendes de Matos, Luis Eduardo Barbalho de Mello, Marcos Andre de Sarvat, Mauricio Simões Correa e Mauro Becker Martins Vieira.

Nessa primeira reunião, o foco de discussão central foi a revisão da Resolução 1.950/2010, cujo conteúdo refere-se à atuação interdisciplinar construída entre o Conselho Federal de Medicina e o Conselho Federal de Odontologia, que estabelecem, em conjunto, critérios para a realização de cirurgias das áreas de buco-maxilo-facial e crânio-maxilo-facial.

Essa revisão é oriunda de solicitações de pareceres e posicionamentos de condutas feitos ao CFM sobre os procedimentos de sialoendoscopia diagnóstica e terapêutica, os quais estariam sendo realizados por não médicos, principalmente por odontólogos, justificando-se a necessidade de regulamentação por parte desta autarquia.

Os componentes das Câmaras Técnicas, tanto de Cirurgia de Cabeça e Pescoço como de Otorrinolaringologia, contribuíram com sugestões para alteração e inclusão de nova redação, as quais serão levadas ao Departamento Jurídico e posteriormente à apreciação em Plenária do CFM, para promulgação de nova Resolução.