Cirurgia Robótica – A César o que é de César

Novas normas de habilitações devem ser conduzidas por Sociedades de Especialidades.

por Dr. Antonio J. Gonçalves (Presidente da SBCCP)

 

Tendo em vista as recentes notícias referentes à certificação em Cirurgia Robótica e a proposta para esta ser realizada pelas Sociedades de Especialidades, a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) coloca-se em posição totalmente favorável. Nossas Sociedades de Especialidades não podem, de modo algum, compactuar com qualquer certificação ou habilitação, em qualquer área de nossa profissão, que seja feita pela indústria, pelo evidente conflito de interesse que isso apresenta.

 

A Associação Médica Brasileira (AMB), em sua portaria de número 3, de 5 de junho de 2019, criou normas para criação de habilitações em qualquer área da Medicina e isso deveria, e deve, ser conduzido pelas Sociedades de Especialidades.

 

Há muitos anos a habilitação de cirurgia robótica, em nossa especialidade, ficou restrita a um pequeno número de especialistas, pois a indústria dominava essa certificação e impedia o acesso democrático e legítimo aos médicos que quisessem obter essa habilitação.

 

O Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, recentemente abriu um curso de Habilitação em Cirurgia Robótica que permite aos candidatos aprovados o uso do robô em seu hospital.

 

E, ainda, o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, recentemente inaugurou seu Centro de Treinamento em Cirurgia Robótica, onde médicos poderão treinar e se habilitar nesta técnica.

 

Isso foi um passo muito importante nesta certificação, porém, ainda limitaria a atividade do cirurgião a um único hospital, dependendo dos outros hospitais aceitarem esta certificação. Com o aval desta certificação sendo dado pela nossa Sociedade, certamente esta habilitação deverá ser válida em todo o território nacional.

 

No último dia 17/12, a AMB finalizou o trabalho normatizando essa certificação nas Sociedades de Especialidades, o que vai possibilitar o treinamento de um maior número de cirurgiões, o que seguramente vai disseminar ainda mais o uso dessa tecnologia.

 

Acreditamos que isso não deva ser somente para Robótica, mas para todas as áreas em que haja necessidade de uma certificação especializada, como por exemplo: rádio-ablação de nódulos, monitorização neurofisiológica, ultrassonografia, cirurgias transorais, dentre outras em nossa especialidade.

 

A SBCCP apoia essa normatização e vai constituir um grupo de trabalho para normatizar o treinamento para a consecução desta habilitação o mais rápido possível, possibilitando a todos os nossos colegas, que assim o desejarem, a certificação nessas áreas. Vamos propor que as Universidades também realizem estes treinamentos.

 

Enfim, a César o que é de César.